terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

in loco


Como se eu pertencesse àquele chão que piso, desço as escadas,
observando os jardins, as aves camufladas que ali estão sempre
a namorar por entre os arbustos, as mesmas sementes vermelhas
que caem de tão alto, e que de quando em quando fazem as vezes
de comidinha no imaginário daquelas mais de 500 crianças, que
são todas também minhas. Eu passo por elas, e elas me olham,
eu não as olho, mas sei que elas sabem que eu estou ali, descendo,
sorrio, olhando os degraus, passo por J e C, minhas flores vespertinas,
que cuidam do meu recanto, que tudo arejam e perfumam... beijo-as.
J faz qualquer comentário sobre algo que está acontecendo de
diferente ou de igual, eu sorrio e aperto os olhos, como sempre,
ela sabe que estou feliz de vê-la novamente, entro no rebuliço,
a sala matriz, a sala dos mestres, uma profusão de assuntos, de
muitas vozes e corpos quentes, corpos muito diferentes uns dos
outros, uns imensos, muito compridos, outros minúsculos, quase
decorativos, mas todos eles barulhentos, discutindo, falando, quase
que incapazes de manter para si mesmos todas as idéias, memórias,
pensamentos, opiniões, lembranças, são coisas demais na cabeça
de pessoas como eles, estou na porta, observando, respiro fundo,
e me encho de energia dos meus iguais, me encho de eletricidade
docente, são mais de 20 pessoas dentro de um cômodo médio,
e eles não se contêm, todos partilham, todos comentam, todos se
misturam e interferem, e auxiliam, e chega a hora, o ponteiro clica.
Cada um vira guardião da sua chave, e vai em direção ao seu cômodo, 
que é onde eles se sentem mais de casa, mais sabendo onde tudo está 
e como se faz tudo. Respiramos fundo ao mesmo tempo, sem ver 
uns aos outros, e damos início aos nossos trabalhos, à nossa mágica. 


segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

Os degraus




"Não desças os degraus do sonho 

Para não despertar os monstros. 

Não subas aos sótãos - onde 

Os deuses, por trás das suas máscaras, 

Ocultam o próprio enigma. 
Não desças, não subas, fica. 
O mistério está é na tua vida! 
E é um sonho louco este nosso mundo..."

(Mario Quintana)

... porque é bem por aí que eu to tentando
manter minha cabeça esse ano,
se livrar da ansiedade dos desafios
é das tarefas mais duras ...
vamos com calma, 
um degrau após o outro.



terça-feira, 14 de fevereiro de 2012



Acompanhando os "avanços"... o mestre, Mário Quintana:

"Oh ! aquele menininho que dizia
"Fessora, eu posso ir lá fora?"
mas apenas ficava um momento
bebendo o vento azul ...
Agora não preciso pedir licença
a ninguém.
Mesmo porque não existe paisagem
lá fora: somente cimento.
O vento não mais me fareja a face
como um cão amigo ...
Mais o azul irreversivel persiste em meus olhos."




segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

Até segunda-feira, de Chico Buarque





Sei que a noite inteira eu vou cantar
Até segunda feira
Quando volto a trabalhar, morena
Sei que não preciso me inquietar
Até segundo aviso
Você prometeu me amar
Por isso eu conto a quem encontro pela rua
Que meu samba é seu amigo
Que a minha casa é sua
Que meu peito é seu abrigo
Meu trabalho, seu sossego
Seu abraço, meu emprego
Quando chego 
No meu lar, morena. 

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

Dickens



Depois de fazer partes de alguns WEBINARS de ELT
tive a oportunidade de acompanhar ao vivo, 
um dos eventos internacionais em homenagem
ao grande Charles Dickens enquanto meus colegas em
Brasília, em outras cidades e em outros países pudemos
trocar impressões no twitter, simultaneamente ao evento,
cada parte da interpretação de Jeremy Harmer,
um dos melhores palestrantes, teóricos e referências atuais da minha área (ELT),
acompanhado pelo brilhante Steve Bingham ao violino.
Harmer interpretou com muita profundidade e
precisão vários dos inúmeros personagens de Dickens,
às vezes eu tive de fechar os olhos para poder
viajar melhor nas histórias e visitar antigos cenários e personagens.
Foi simplesmente esplêndido.
Hoje estava pensando melhor na minha experiência de
participar desses webinars...
realmente me sinto como se tivessem desenhado
esse tipo de video-conferência especificamente para mim.
Se tem uma faceta da internet com a qual
me identifiquei 100% foi a de participação em eventos internacionais
através da web, comentando, aprendendo e trocando
com pessoas do mundo inteiro, ao mesmo tempo. 

Esse evento que aconteceu ontem às 17 foi gravado e
é só clicar e esperar começar para assistir,
para quem ama Dickens e consegue viajar através
da leitura em voz alta, da interpretação de personagens,
da vocalização de narrativas e poesia...
 com Dickens é impossível não se sensibilizar,
não sentir o cheiro de Londres poluida, gosmenta e molhada,
o industrialismo e o pós-industrialismo e toda a desgraça de
algumas pessoas que sofreram muito com a
não adaptação das condições da época...
suas palavras transmitem um realismo muito próprio,
muito autêntico, realismo no sentido mais livre da palavra. 

Com vocês, a homenagem a esse ser imperdível,
um dos poucos que conseguiu reconhecimento
em sua época retratando gente.
 E muita gente pobre. Com muita sensibilidade:

(é só clicar)

- Quadro: Dicken's Dream by Robert William Buss -

(essa imagem me lembra a hora de escovar os dentes...
aqui estão os personagens de Dickens
saindo de sua imaginação e povoando
o seu quarto de estudos,
quando eu tinha mais ou menos uns quatro anos
meu pai colocava pasta de dentes
na escova dele e na minha bem rápido
quando estávamos atrasados e me colocava no colo
e nós escovávamos os dentes
juntos olhando esse quadro enquanto
minha mãe arrumava as coisas na pressa, 
ele parece ser infinito,
até hoje eu vejo detalhes que nunca tinha visto)

Hail, Dickens!

terça-feira, 7 de fevereiro de 2012

Be home



"Home is a name, a word, it is a strong one; 
stronger than magician ever spoke, 
or spirit ever answered to, 
in the strongest conjuration."


(Charles Dickens)

- <3 quoting him on the bicentenary of his birth <3 -