terça-feira, 26 de julho de 2016

Surpresa e Sonho

Ela veio de surpresa, mudou minha vida desde a gravidez,
nunca mais eu fui a mesma, mostrou pra minha essência 
mais coisas guardadas ali no meu esconderijo do peito,
abriu todas as caixas e quis ver tudo o que tinha dentro.


Eu até hoje não sei se deixei ou se não tinha como impedir.
Mas sim, a gravidez faz isso, mexe no que ta guardado,
mexe no íntimo, mexe na cabeça, mexe dentro do coração.

A surpresa é um ensinamento. Eu achei que antes precisava
melhorar meu salário, achei que precisava fazer terapia,
achei que precisava aprender mais sobre o corpo, e mais sobre mim,
A surpresa veio e ensinou que é vivendo que fazemos essas coisas.
Fiz tudo isso na gravidez, por bem ou por mal, e quando o bebê
vem para o mundo você entende muita coisa. Helena nasceu, a gente
se olhou e olhou pra ela e imediatamente eu entendi um pouco da vida. 
Daquela parte que eu sempre busquei respostas: como é que temos 
essa família? como é que gostamos tanto desses amigos? 
por que a gente foi pra escola? pra que eu fiz mestrado? 
qual é o motivo de ficar feliz com trabalho?
qual o sentido da vida? o que viemos fazer aqui?

Eu tenho certeza de que a gente veio nessas famílias receber amor
e desatar nós, aprender a respirar, partilhar com os vivos e ajudar os 
velhos a morrer. Eu sei que amo meus amigos porque vejo neles uma
pureza, uma dor e uma alegria que só eles têm, cada um a sua maneira, 
e isso é de uma beleza que vicia, eu sei que fui pra escola conhecer a 
Vivi e a Tutty, e que sem elas, eu seria um pouco mais perdida quando
me perco e um pouco mais desesperada quando me desespero. 
E um pouco aqui, quer dizer muito. 
Eu sei que também fui pra escola, pro piano, pra gaita, pras pós,
pro francês, pro inglês, pra aula de artes, pras universidades aqui e fora,
para saber que tem um tipo de gente que quando descobre uma coisa, 
registra num livro para te ajudar se você quiser descobrir também.
E essa é definitivamente uma das minhas maiores diversões e eu nasci nerd 
para gostar tanto da escola que, mesmo quando eu não estivesse estudando,
eu estaria lá trabalhando. Eu admito, eu gosto de estar em sala, eu gosto 
de enfeitar mural, eu gosto de ler o que os alunos escrevem nas redações,
muitas vezes eles soltam na escrita coisas que nunca diriam em sala, eu 
vibro quando to corrigindo prova e vejo que eles aprenderam até mais
do que eu a usar o que eu acho que expliquei, 
Eu choro de saudade no final do semestre. 
Eu amo pirralho bonzinho, amo pirralho danado, pirralho capeta, amo.
E eu quero muito continuar na sala de aula, tomara, tomara, tomara!

Agora eu sonho com você, e eu nem sei quem você é, mas a surpresa veio,
ensinou e ta aqui, recebendo tudo o que consigo ser e tendo tudo o que
consigo ofertar. Mas você, quem será você? 
Quem será que vai vir morar aqui na minha barriga?
Será que já tava escrito que era você? (claro que já)
Hoje você é o meu maior sonho e eu nem sei quem você é. 
Quando será que você vem pra cá?
O que será que você vem fazer aqui no planeta? 
Você é o tal do planejado... e enquanto você não vem, eu só imagino.
Você é uma peça essencial do quebra-cabeça, 
sem você eu ainda não sei do que quero saber, 
e com você eu vou aprender coisas que só você pode ensinar. 
Eu, seu pai, sua irmã e seu peludinho Martino.


segunda-feira, 4 de julho de 2016

Notes to self


Quem tá perto não é mais íntimo.
Quem tá longe não é menos importante.
"Quem sou eu" não tem pressa nenhuma de ser respondido,
E tudo isso talvez leve a vida inteira e talvez mais ainda.
Posso sim sentir o que eu quiser, inclusive dó de quem se diz tão certo.
Posso sim sentir compaixão e quebrar a cara doando energia desnecessariamente
Não há mal algum em quase nunca se sentir muito triste num mundo tão deprê-chic
ouvi dizer que "viver vários momentos de alegria em um dia" é meu motto desde que nasci
Fui um bebê feliz. Fui uma criança feliz. Fui uma adolescente confusa.
Sou um adulto confuso, feliz e eternamente em construção. 
Quero passar essa falta de pressa em determinar self para meus filhos.
Mesmo que eles não sejam confusos. Mesmo que eles não sejam felizes.
Somos uma onda. Confusão e felicidade chegam e se vão.
O importante é ter a prancha a postos na hora certa.